Crise até faz as pedras Parir

The Parous Stones are a rare geological phenomenon, a kind of stone that spring from a rock, a block of granite are your origin, is possible to see in Arouca mountain in Portugal..
Les pierres enceintes sont un phénomène rare géologiques, une sorte de pierre qui ressort d'un rocher, un bloc de granit nodulaire est à son origine, ce phénomène peut être vu dans la Serra da Portugal Arouca et ont peut profiter aussi des paysages atmosphère bucolique comme indiqué sur les photos.
Las piedras "embarazadas" (No estoy seguro de cómo se dice en castellano) (han tenido hijos) son un raro fenómeno geológico, un tipo de piedra que brotan de una roca, un bloque de granito nodular  es en su origen, este fenómeno puede ser visto en la Serra da Arouca Portugal y disfrutar de los paisajes un ambiente bucólico como se muestra en las fotos.
Le pietre che nascono (anche io non sono sicuro della traduzione), sono un raro fenomeno geologico, una sorta di pietra che scaturiscono da una roccia, dun blocco di granito nodulare, questo fenomeno può essere visto nella Serra da Arouca Portogallo e godere del paesaggio circostante
.
Vivemos nos tempos em que a crise para tudo serve: serve para justificar fracassos financeiros, para que as empresas aeronáuticas e em particualr a TAP revele que a actual crise no espaço aéreo lhe dá prejuízo de milhões (mais ainda), para o governo tomar medidas anti-sociais, para não haver aumentos dos funcionários, serve para que os gestores públicos não cedam dos seus gordos prémios porque afinal Portugal até está habituado à mediocridade, mas esquecem-se estes génios que algum eventual sucesso seu está na força do trabalho dos outros funcionários (os medíocres) e que precisariam trabalhar toda a vida para ganhar o que esses senhores ganham num ano. A crise serve também para que o povo aceite todas as alterações como um fado, enfim a crise serve para tudo. A nossa crise provém, essencialmente, do excesso de civilização dos incivilizáveis. Esta frase, como todas que envolvem uma contradição, não envolve contradição nenhuma. Todo o povo se compõe de uma classe priveligiada  e de ele mesmo, a primeira ganha com a crise e os segundos são vítimas da crise. A classe priveligiada manifesta-se e vinca posição duma forma chantageadora, o povo revela-se como todo ele um indivíduo só. Só colectivamente é que o povo não é colectivo, pincipalmente se não optar pela coesão.
O povo português é, essencialmente, cosmopolita. Nunca um verdadeiro português foi português: foi sempre tudo. E como o seu conjunto é individualmente nada, passa a ser tradicionalista e a imitar o estrangeiro, que são as duas maneiras de não ser nada. É claro que o português, com a sua tendência para ser tudo, forçosamente havia de ser nada de todas as maneiras possíveis. Foi neste vácuo de si-próprio que o português abusou de civilizar-se. Está nisto também a essência da nossa crise.
As nossas crises particulares procedem desta crise geral. A nossa crise política é o sermos governados por socialistas que não são, e copiam medidas que não analisam e e adaptam ao país depois, ninguém acredita na classe política porque simplesmente não inovam e tomam medidas idênticas consoante estão no governo ou na oposição. Ser português é quase dizer mal de tudo o que é português, quase como se fosse vergonha de o ser: lá fora é que é bom. Um pouco na continuidade do ditado popular a galinha da vizinha é melhor que a minha. Esquece-se porém que cá dentro há muitas coisas boas e más, tal como nos outros países.Mas,essas poucos as vêm, a maioria dos portugueses não conhece devidamente o seu país. Portugal não precisa copiar, precisa inovar, conhecer, ordenar, requalificar e reestruturar, e deveriam ser os topos a dar o exemplo e não a boicotar. Portugal não é melhor nem pior que os outros paíse, talvez desde que embarcou nos descobrimentos anda ainda um pouco à deriva pelo mar sem capacidade para se encontrar e rumar num destino. Há que descobrir uma nova forma de estar como português, não em nacionalismos bacoucos, ou apenas sermos todos portugueses quando a selecção joga, é preciso intervir na causa pública ser reinvidicativo e exigir mudança um pouco partir à descoberta deixando para trás o complexo de inferioridade mas posicionarmo-nos de igual para igual com o resto do mundo. Talvez assim compreendamos e vejamos que há muita coisa para fazer e descobrir cá dentro.
Num dos meu passeios recentes fui de novo até à serra de Arouca onde existem as Pedras Parideiras, e hoje vai ser o tema do meu devaneio fotográfico. Estas pedras simbolizam a fertilidade na tradição ancestral da região, esta tradição está ainda presente nas populações locais. Acredita-se que dormir com uma pedra parideira debaixo da almofada aumenta a fertilidade. As Pedras Parideiras são um fenómeno geológico raro, um tipo de pedras que brotam de uma rocha-mãe, um bloco nodular de origem granítica com 1000 x 600 m, daí se chamarem Parideiras. Os nódulos de 1 a 12 cm de diâmetro com formas discóides e biconvexas são compostos pelos mesmos elementos mineralógica do granito. Através da erosão do granito, explicam, esses nódulos de biotite (mica preta) paulatinamente afloram à superfície da rocha, desprendem-se e vão-se acumulando no solo. "Por isso, os camponeses da região chamam à rocha "a pedra que pare pedra", isto é, a rocha que produz uma outra rocha. É um fenómeno raro, praticamente único a nível Mundial no entanto é um uma zona que uma grande maioria dos Portugueses desconhece e raramente (eu nunca vi nas vezes que lá fui) por turistas estrangeiros. O passeio vale a pena pela paisagem bucólica conforme poderão ver nas fotografias abaixo.












Um dos exemplares das Pedras Parideiras parindo outras Pedras




Como o post já vai longo de volta a casa disfrutando a mata da serra.

7 comentários:

aleade73 disse...

Buongiorno. Che foto meravigliose... Lasciano passeggiare la mente!!!

Drica disse...

Entrar em seu blog é viajar em lindas paisagens mas é muito mais.
É receber verdadeiras aulas de cultura, folclore e civilidade. Como sempre um grande prazer.

Isabel disse...

Cher Antonio
bien d'accord avec ton commentaire général sur la crise économique... et le néo-libéralisme... ce que tu dis en rapport avec le Portugal et son complexe d'infériorité... s'applique aussi au Québec...! Ici, les gens pensent qu'ils sont "nés pour un petit pain", valant peu finalement...
Évidemment, je ne suis pas d'accord avec ce type d'attitude qui fait qu'on accepte tout en bout de ligne... mais comme tu dis, les gens sont blasés de la politique.... alors....
on doit continuer de se prendre en main et aider nos compatriotes à le faire...
Les pierres enceintes, c'est vraiment étonnant et très intéressant, je ne savais pas que ça existait...!
très belles photos encore une fois, mon ami.
:-)
bises
Isabel

cristina disse...

ciao! mi piace molto il tuo blog, il portoghese non riesco a leggerlo molto bene, ma mi piace molto il suo suono...molto musicale!
bellissime anche le foto della natura!
Grazie per la tua visita!

marcia disse...

bonita postagem...
obrigada pelas palavras mestre!
bju querido

Angurboda disse...

bellissime immagini! ciao!!!!

cathoune disse...

coucou .... alors là ! les pierres....
moi, je ne savais pas --- jamais entendu parler...Bizarre tout de même... et en tout cas de très jolies photos... j'aime quand tu nous montre des paysages.... bisous bon Week end... CATHY

Enviar um comentário

 
Home | Gallery | Tutorials | Freebies | About Us | Contact Us

Copyright © 2009 Devaneios de Vida |Designed by Templatemo |Converted to blogger by BloggerThemes.Net

Usage Rights

DesignBlog BloggerTheme comes under a Creative Commons License.This template is free of charge to create a personal blog.You can make changes to the templates to suit your needs.But You must keep the footer links Intact.