O Sonho pensado a dois


Dreams pass into the reality of action. From the actions stems the dream again; and this interdependence produces the highest form of living.
On croit que les rêves, c'est fait pour se réaliser. C'est ça, le problème des rêves : c'est que c'est fait pour être rêvé.
Finchè non sapremo rincorrere i nostri sogni fino alla fine, non potremo definirci completamente liberi  perché nessun cuore ha mai provato sofferenza quando ha inseguito i propri sogni.
¿Qué es la vida? Un frenesí. ¿Qué es la vida? Una ilusión, una sombra, una ficción; y el mayor bien es pequeño; que toda la vida es sueño, y los sueños, sueños son.
Lancei um desafio a uma autora dum blog que sigo para fazermos um post em co-autoria, um pouco na tradição que já alguns autores o fizeram e ela aceitou. Não deixa de ser interessante o facto de física e ideologicamente estarmos em campos opostos, havendo um oceano a imenso a separar-nos e eu: agnóstico, republicano e marxista convicto e ela uma cristã fervorosa. Mas num mundo de sonho as pessoas independentemente dos seus credos ou ideias podem estabelecer relações de tertúlia interessantes. A diferença não deve separar mas sim complementar. Então criámos como centro dos nossos devaneios:  O Sonho.
Sonhe com aquilo que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos. A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam. Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passaram por suas vidas. (Clarice Lispector)
Todos sonhamos e queremos ser felizes... Em nossas famílias, brincamos, temos encantamentos e aprendemos a conviver com as alegrias da vida. Fazemos amigos, brincamos com os amigos... Surge então a necessidade de ter alguém para completar a nossa felicidade. Daí começamos a buscar alguém para dividir convosco nossos sonhos e planos. De forma ingénua – não muito raro – colocamos os nossos planos, a nossa felicidade nas mãos do outro. Projectamos o parceiro como o realizador maior dos nossos próprios sonhos e da nossa felicidade. Esquecemo-nos de que cada um de nós é responsável pela nossa qualidade de vida e temos nossa parcela de responsabilidade em nossos relacionamentos. Alguns de nós vivemos mais dos sonhos do que da realidade. É muito bom sonhar, sonhar junto, compartilhando...
Sonho que se sonha só, é apenas um sonho; sonho que se sonha junto, é uma realidade.
Rosarinha Bastos


O sonho é a bem dizer a essência da evolução humana, sendo transversal a todas as gerações. Os pensamentos são a parte plausível e mais palpável, os esboçados nos sonhos. Sonhar ´+e a capacidade de acreditar, daí que muitos pensadores tenham pago com a própria vida o facto de se atreverem a sonhar e a querer ter um sonho. Num período em que o globo está imergido em sofrimento quer pela destruição das forças da natureza ou pela dor provocada pela acção coerciva e repressiva dos homens, a capacidade de sonhar é a luz no fundo do túnel para almejar um Mundo melhor. Sonhar é acreditar no amanhã mais colorido, num mundo em harmonia de cores. Nunca se conseguirão prisões ou embargos para sonhadores porque nas asas dum sonho a liberdade é a brisa que o mantém e eles tornar-se-ão tanto mais reais quanto mais abrangentes e altruístas o forem. Se sonhássemos todas as noites a mesma coisa, ela afectar-nos-ia tanto como os objectos que vemos todos os dias. Todos podemos ter o sonho de ter um iate ou um barco de luxo, mas o sonho em si não é a posse porque a posse é efémera tal como a vida, que importa ter um barco de luxo se a existência do mesmo. Sonhar é acreditar, sonhar é um acto libertador mesmo quando passivamente se mantêm ofuscado do olhar como a água que corre entre as rochas e só muito mais à frente é que pode tirar a sede no fontanário. Se sonhássemos todas as noites que somos perseguidos por inimigos, e agitados por esses fantasmas penosos, e se passássemos todos os dias em diversas ocupações, como quando se faz uma viagem, sofrer-se-ia quase tanto como se isso fosse verdadeiro, e apreender-se-ia o dormir como se apreende o despertar. Os sonhos centrados numa pessoa são necessários como verdadeiras essências da existência e mesmo sobrevivência.
Mas sonhar fica mais além que querer, poder ou ter, o do homem do poder destrói-se pelo poder, o homem do dinheiro, pelo dinheiro, o subserviente pelo servir, o sequioso de prazer pela luxúria. Sonhar não é um acto isolado, mas sim social, se o homem fosse um ser único, não sonharia. Limitam-se em cercas os que sonham o provável, o legítimo e o próximo, do que dos que devaneiam sobre o longínquo e o estranho. Os que sonham grandemente, ou são doidos e acreditam no que sonham e são felizes, ou são devaneadores simples, para quem o devaneio é uma música da alma, que os embala sem lhes dizer nada. Mas o que sonha o possível tem a possibilidade real da verdadeira desilusão. O sonho que nos promete o impossível já nisso nos priva dele, mas o sonho que nos promete o possível intromete-se com a própria vida e delega nela a sua solução. Um vive exclusivo e independente; o outro submisso das contingências do que acontece. Mas sonhar não se complementa em si mesmo, ele é apenas a fertilização do agir com base no acreditar.
Podemos indefinidamente sonhar com uma mulher idílica mas não passaremos de solitários se não conseguirmos uma que apesar de lacunar perante os nossos sonhos será com ela que partilhemos a capacidade de sonhar, pois vivemos uma vida, sonhamos com outra, mas a verdadeira é a que sonhamos. O fracasso é inerente ao sonho e não é a sua destruição. Luther King morreu almejando um sonho de igualdade, enquanto Gandhi morreu convicto que a paz seria a melhor solução par54a aproximar povos, ou Marx acreditava que um mundo igualitário permitiria um mundo mais justo. Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos. Sonhar não é uma ilusão porque saber não ter ilusões é absolutamente necessário para se poder ter sonhos. Atingir assim o ponto supremo da abstenção sonhadora, onde os sentimentos se mesclam, os sentimentos se extravasam, as ideias se interpenetram. Assim como as cores e os sons sabem uns a outros, os ódios sabem a amores, e as coisas concretas a abstractas, e as abstractas a concretas. A irracionalidade e o despotismo arredam-nos da capacidade de sonhar, porque temos de acreditar no que almejamos.
Ardemos num incêndio de esperança, para que reste de nós uma lembrança, um fumo que sobe e não se apaga, e essa acendalha reside na capacidade de ser diferente numa igualdade de deveres e direitos transversal a todos os seres humanos. O homem é mais sincero e rico na desordem dos sonhos que na consciência unitária do raciocinador acordado, mas nós vivemos, neste vale de lágrimas, enquanto negamos o sonho e o tornamos inútil. O universo não é uma coisa limitada e a ordem que o rege não tem peias que, tolhendo-lhe os desígnios, a forcem a repetir noutro lugar qualquer o que já existe num dado lugar. Mesmo neste mundo, existem mais coisas que escapam ao nosso conhecimento do que aquelas que conhecemos e a ordem que os nossos olhos vêem na criação é a ordem que nós lá pusemos, qual fio num labirinto, para não nos perdermos. Esta perda de sentido acontece quando nos desviamos dos nossos sonhos e encarnamos nele a limitação dos nossos horizontes, daí que muitos sonhos se tenham desvanecido e adulterado no decorrer dos tempos. Todos os discípulos religiosos foram sonhadores desde Cristo, Maomé e Confúcio sonhavam com um mundo melhor mas as religiões foram redesenhadas pelo Homem servindo-se delas e em momentos da História tornaram-se castradoras deixando apenas na parte mítica e dogmática o explanar de sonhos, ou seja, o benefício visível do bem pode não ter compensação imediata mas tê-lo-á numa outra dimensão. Mas, as religiões na sua essência (mas nunca numa perspectiva fundamentalista), incentivam ao sonho com um mundo melhor.
O sonho perde-se algures no desígnio da existência contrapondo-se numa utopia, porém a sua real perda é quando na capacidade de sonhar de imiscuir sentimentos adversos como o egoísmo, a falta de liberdade, a passividade, o conformismo ou a descrença. Julgar-se-ia bem mais correctamente um homem por aquilo que ele sonha do que por aquilo que ele pensa. Por tudo isso vale a pena sonhar sem que nos deixemos isolar neles, pois tal como um vinho o prazer do seu sabor só é possível quando tomado em pequenos goles e não quando bebemos duma só vez toda a garrafa. Pois como dizia o poeta português António Gedeão: (...) sempre que o Homem sonha o mundo pula e avança como bola colorida entre as mãos duma criança.

Vivemos, porque sonhamos. Sonhamos, logo existimos.



Pensem nisso

7 comentários:

ROSARINHA disse...

Not comments...the words, speak!!! thanks, honey!! have a nice day!!!

cerise disse...

Tout à fait interessant CET article.Pour ma part, je pense que le rêve Est de la Une vie.Où serions-nous aujourd'hui constantes Si certains savants fous CES rêves n'avaient pas de l'UE? Serions-nous ici à communiquer distants Même à des milliers de kilomètres? Pourrais Je infinie établir »« Une liste d'exemples Qui Ont pour nom le par progrès.Ce Sont des rêves que CES Progrès Ont vu le jour, des hommes et réalisé rêvé Ont Ont Leur rêve de voler, de marcher sur la lune ... Plus d'informations Il est des rêves Qui PERMETTENT de Rendre la vie plus douce en cette dure Une opposition qui dit ment réalité.Celui Qui ne rêve pas,.
Tout le monde a des rêves et cela permet d'avancer. I don't speak des rêves Qui sont plutot des Idéaux De plus en plus accessibles des rêves, des rêves de la vie courante, des Rêves D'Une Vie Avoir mettrons tout en oeuvre meilleure.Certains AFIN de Rendre Concrets Et les autres d's 'fr Leur Dieu remettront En exhausse AFIN Leur rêve qu'il.
Sans rêve, La Vie et n'aurait serions ambition Saveur Aucune Aucune rendu et à l'état animal.
Je suis tout à fais d'accord avec ta phrase de la voiture elle fin Résume Tout à fait qu'est ce le rêve et l'homme, c'est à dire Qui en Sont indissociables!
Bravo, c'est un bel article!
Amitiés, au plaisir de vous lire!

Siempre quise ser Al Capone disse...

Bonito ensayo sobre los sueños, que es rectangular en Ocasiones en levantan por sólo para eso entonces queremos y que es inmaterial.
Me gusto mucho, tengo por aquí una frase que me gusta y EN OCASIONES dejo a un lado pero aquí te la presento:

"La magia de librar batallas más allá de lo humanamente ¡Soportable se basa en lo mágico resultados arriesgarlo todo por un sueño que nadie alcanza, pero que hacer excepto tú"

ROSARINHA disse...

Rêve qui se rêve seul est seulement un rêves
Rêve qui se rêve joint, est réalité
Il excuse le Français… (rs)

alana disse...

Thanks for stopping by my blog! I can't understand most of what's here but the pictures are lovely! lol

cerise disse...

Merci pour votre commentaire au sujet de Florbela.Je connaissais ce beau poème voiture Je Possède Une Anthologie de la poésie anglaise traduite en français et il me semble que ce Poème à Été chanté aussi.
J'adore votre langue anglaise et l'J'apprends à écrire et à la lire: vous mots anglais Sont si beaux Dans la Poésie et ils sonnent si bien l'amour et les sentiments.
Amicalement.

marcia disse...

Maravilhosa mesclagem!Aonde dois blogs se fundem num casamento perfeito! Parabéns a ambos!
E que nesse curto espaço temporal,entre o sonho e realidade, ao meu entender, chamado de divisos das águas, permaneça o desejo da alma.
abçs
Marcia

Enviar um comentário

 
Home | Gallery | Tutorials | Freebies | About Us | Contact Us

Copyright © 2009 Devaneios de Vida |Designed by Templatemo |Converted to blogger by BloggerThemes.Net

Usage Rights

DesignBlog BloggerTheme comes under a Creative Commons License.This template is free of charge to create a personal blog.You can make changes to the templates to suit your needs.But You must keep the footer links Intact.